• Propago Social

Explorar é se conhecer… e também é querer saber


"De onde nem tempo, nem espaço

Que a força mande coragem

Prá gente te dar carinho

Durante toda a viagem"

Caetano Veloso - Terra.


 

A Vivência na Natureza é um dia de conexão e celebração: este é o único evento do ano em que reunimos todas as crianças e adolescentes participantes do Programa "Quero Saber...", os ecoeducadores voluntários e a equipe interna do Instituto UNO. Além de ser um momento de fortalecimento do nosso grupo, o estudo do meio tem o objetivo de reconectar crianças, adolescentes e adultos consigo mesmos e com a natureza, proporcionando momentos de harmonia, desaceleração do ritmo do cotidiano e descobertas.


Tudo acontece no Núcleo Engordador, dentro do Parque Estadual da Cantareira, uma unidade de conservação e proteção ambiental da Serra da Cantareira, que possui uma das maiores áreas de mata tropical nativa do mundo dentro de uma região metropolitana.




Nosso dia começou cedo, para termos tempo de aproveitar ao máximo as dinâmicas, a trilha das cachoeiras e o piquenique. Iniciamos as atividades com um lanche, um alongamento e a atividade de abertura. Em uma roda, todo mundo segura na borda de um paraquedas, sobre o qual colocamos bolinhas. Em um primeiro momento, ninguém pode deixar que as bolinhas caiam. Depois, fazemos movimentos com a lona de cima para baixo, transformando-a em um verdadeiro paraquedas e, por grupos semânticos, todos devem entrar debaixo do tecido, como, por exemplo: pessoas cujos nomes começam com a letra A, ou quem tem cabelo castanho e assim por diante.





Depois desse aquecimento, dividimos todos em quatro grupos e propusemos uma dinâmica de integração: a teia do barbante. Cada pessoa deve dizer seu nome e qual superpoder gostaria de ter, e jogar o barbante para alguém, que repetirá a mesma coisa. Ao chegar no último participante que recebeu o fio, desfaz-se a teia e essa pessoa vai devolver o barbante para quem lhe entregou, dizendo o nome e o superpoder dele(a). Essa é uma atividade importante para que todos se conheçam antes de começarmos nossa caminhada.





E então partimos para a trilha: um percurso circular de três quilômetros dentro da mata Atlântica nativa, que, além das lindas paisagens, nos brindou com clareiras, rochas, árvores enormes e o Rio Engordador, que forma quedas d’água. Assim que chegaram, nossas crianças e adolescentes receberam kits de explorador, que continham uma cinta pochete, com lupa, caderno de anotações, caneta e fita métrica, para que, de fato, pudessem explorar aquele ambiente tão rico.


Segundo o escritor norte-americano Richard Louv, autor do livro “A Última Criança Na Natureza”, existem muitos benefícios para aqueles que se mantêm próximos do meio ambiente. De acordo com ele, dentre outras coisas, o contato com a natureza contribui para incentivar o bem-estar físico e mental, melhorar o processo de aprendizagem e o desempenho escolar, além de estimular as habilidades socioemocionais e o convívio social.





Estar em contato com a natureza também permite estabelecer uma interação saudável entre nós e o meio ambiente enquanto parte integrante dos aspectos sociais, psicológicos e biológicos do indivíduo. A natureza é o nosso espaço de pertencimento, de nossas raízes com a Terra. A partir da relação com o mundo natural, que exala aromas, floresce, frutifica, emite sons, e tem sabores diversos, por meio do próprio corpo e sentidos, aprendemos sobre princípios que regem a vida: ciclos de nascimento e morte, fluxos, processos dinâmicos, que podemos aprender brincando.

Além disso, durante a trilha, estimulamos nossos sentidos: o tato, ao tocar as árvores, abraçá-las e molhar as mãos no rio; o olfato, com o cheiro da mata e das flores, além de melhorar nossa respiração; a visão foi ampliada por estarmos em um espaço aberto com árvores, flores e quedas d 'água, diferente do que acontece ao olhar somente para paredes, grades e telas.





As crianças e adolescentes também puderam explorar o mundo ao seu redor, utilizando habilidades importantes, como a criatividade, a curiosidade, a atenção, a percepção, o pensamento, e outras funções cognitivas.


Entre medições com as fitas métricas, observações, desenhos e sob o olhar curioso na lupa e nos binóculos, o convívio social em meio à natureza possibilitou desenvolvimento de relações humanas, formação de vínculos afetivos, além de ter promovido o sentimento de ligação e interdependência entre os seres vivos, que permitirá uma atitude ética de cuidado com o meio ambiente.





Depois da caminhada, pausa para que todos pudessem brincar livremente e um delicioso convescote, ou, se preferir, piquenique. Reunidos, agradecemos à natureza, em coro:

Terra que o alimento nos dá Sol que os amadureceu Querido sol Querida terra De vocês não nos esqueceremos jamais!

No Instituto UNO assumimos alguns pilares e princípios fundamentais que orientam nossa atuação e projetos, entre eles está a Ecopedagogia. Para que possamos viver de forma colaborativa e sustentável, o conhecimento e a conexão com a natureza também fazem parte da nossa concepção, já que somos todos componentes dela. Mantendo essa linha de pensamento, acreditamos que proporcionar situações que coloquem as crianças e adolescentes diante da natureza, para que interajam a partir de suas próprias percepções, confere oportunidades únicas de aprendizado em todas as áreas do saber.

Nossa crença é de que a natureza é a grande instrutora da humanidade e é capaz de criar oportunidades de desenvolvimento máximo do potencial de cada ser. Na Vivência na Natureza exercitamos esse conceito na prática. Trata-se de um momento de enriquecer e ampliar horizontes, de criar vínculos importantes, além de estimular novos "querer saber". Em um mundo com tantos rompimentos, a constância da natureza vai muito além da exploração: é acolhimento para nossa existência.

286 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo